quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

MEDITAÇÕES DIÁRIAS PARA MULHERES QUE AMAM DEMAIS

Meditações de 01 a 15 de dezembro de 2014

1 de Dezembro
         Um homem despreocupado e irresponsável pode ser uma companhia encantadora, mas é a perspectiva pobre para um relacionamento satisfatório. Até que você se permita ser mais livre e acessível, precisará dele para proporcionar diversão e estímulo de vida.

2 de Dezembro
         Desenvolvendo a espiritualidade, você tem instrumentos para encontrar alívios que não exigem que manipule outra pessoa para ser ou fazer o que deseja. Ninguém deve mudar para você se sentir bem. Pelo fato de você ter acesso a um apoio espiritual, sua vida e felicidade ficarão cada vez mais sob controle e menos vulneráveis à ação de outros.

3 de Dezembro
         Quanto menos precisar de um companheiro, melhor companheira você será, e conseqüentemente atrairá (e será atraída por) um companheiro saudável.

4 de Dezembro
         As mudanças que está fazendo em sua vida implicam que as pessoas ao seu redor também mudem, e elas naturalmente resistirão. Mas, a menos que dê crédito à indignação delas, isso não durará muito. É apenas uma tentativa de empurrá-la de volta para seu velho e abnegado comportamento, de forma a fazer por elas o que podem e devem fazer por si mesmas.

5 de Dezembro
         Você deve escutar sua voz interior, levando em conta o que é bom e o que é certo para você, e então obedecê-la. É assim que você desenvolve um egoismo saudável, escutando os próprios palpites. Até agora você provavelmente tem sido quase uma vidente, captando palpite de outras pessoas sobre como se comportar. Descarte esses palpites ou eles continuaram a sufocar os seus.

6 de Dezembro
         O desprendimento, vital para a recuperação, requer que você desvencilhe seu ego dos sentimentos do outro e especialmente das atitudes dele e seus resultados. É necessário que você permita a ele lidar com as conseqüências do próprio comportamento e que não o poupe de nenhuma dor. Você pode continuar a se importar com ele, mas sem tomar conta dele. Permita a ele encontrar seu próprio caminho, assim como você está se esforçando para encontrar o seu.
7 e Dezembro
         Reconheça que seu valor é grande, seus talentos são dignos de expressão, sua realização é tão importante quanto a de qualquer outra pessoa, e o melhor de si é o maior presente que você tem para dar ao mundo como um todo e, mais especialmente, àqueles mais próximos de você.

8 de Dezembro
         Quando você estiver realmente pronta para parar de manipular e controlar o homem em sua vida, isso significa que você deve também parar de encorajá-lo e elogiá-lo. Por quê? Porque é provável que em várias oportunidades você tenha usado o elogio e o encorajamento para forcá-lo a fazer o que você deseja, conseqüentemente, isso deve estar relacionado novamente. Reflita sobre o motivo de estar enaltecendo algo que ele fez. Será para ajudar a levantar a auto-estima dele? Isso é manipulação. Será porque dessa maneira ele continuará com qualquer comportamento que você esteja enaltecendo? Isso é manipulação. Será que dessa forma ele vai saber o quanto se orgulha dele? Isso pode vir a ser um fardo para ele carregar. Deixe-o desenvolver o próprio orgulho pelas próprias realizações. De outra forma você está perigosamente perto de representar o papel de mãe dele. Ele não precisa de outra mãe (não importa o quanto ela tenha sido má) e, mais objetivamente, você não precisa dele como filho.

9 de Dezembro
         À medida que se tornar mais capaz de cuidar de si mesma, pode descobrir que atraiu alguém capaz de cuidar de você. À medida que nos tornamos mais saudáveis e equilibradas, atraímos parceiros mais saudáveis e equilibrados. À medida que nos tornamos menos carentes, mais nossas necessidades são satisfeitas. À medida que desistimos do papel de superprotetoras, abrimos espaço para alguém nos proteger.

10 de Dezembro
         Existem várias fases na recuperação do amor excessivo. A primeira começa quando nos damos conta de que estamos fazendo e desejamos parar. A seguinte vem com a disposição de conseguimos ajuda para nós mesmas, seguida pelo esforço inicial para garantirmos essa ajuda. Depois entramos na fase que exige de nós um compromisso com a própria cura e disposição para continuarmos com o programa de recuperação. Durante esse período, começamos a mudar o modo de agir, pensar e sentir. O que um dia pareceu normal e familiar começa a parecer incômodo e doentio.  Entramos na fase seguinte da recuperação quando começamos a fazer escolhas que não obedecem mais os nossos antigos padrões mas que, em vez disso, realçam nossa vida e promovem nosso bem estar. Durante todos os estágios da recuperação, o amor próprio desenvolve-se firme e lentamente. Primeiro paramos de nos odiar, então nos tornamos mais tolerantes com nós mesmas. Depois surge uma crescente apreciação de nossas qualidades, e a auto-aceitação se desenvolve. Finalmente o verdadeiro amor-próprio evolui.
11 de Dezembro
         Ser muito inteligente, muito atraente, muita charmosa, ou muito encantadora, ou muito educada, ou muito próspera, ou muito culta, ou muito talentosa, ou muito bem sucedida não evita que se ame demais.
         Nenhuma dessas condições impede a dependência de relacionamento ou, por falar nisso, qualquer outro tipo de dependência.

12 de Dezembro
         À medida que nos recuperamos do amor excessivo, mudamos a maneira de nos relacionamos com nossos pais e filhos. Com nossos pais nos tornamos menos carente e aborrecidas e, freqüentemente, menos solícitas também. Ficamos mais honestas e freqüentemente mais tolerantes e às vezes mais genuinamente carinhosas. Com nossos filhos nos tornamos menos controladoras, menos preocupadas  e menos culpadas. Relaxamos e apreciamos mais os filhos, porque somos capazes de relaxar e apreciar mais a nós mesmas. Assim como sentimos maior liberdade para alcançar nossos próprios interesses e necessidades, eles estão livres para fazer o mesmo.

13 de Dezembro
         Quando não estamos mais amando demais, grandes amigos agora nos podem parecer obsessivos e doentios. A desgraça comum, como um critério para amizade, é substituída por interesses comuns e mais recompensadores. Assim o que freqüentemente ocorre durante a recuperação é que nossos padrões de relacionamento mudam, assim como nosso círculo de amizades.

14 de Dezembro
         Não importa quanto nos tornemos abertas, receptíveis e genuinamente amáveis com a recuperação, ainda assim haverá pessoas cuja a ira, hostilidade e agressividade continuarão a nos inibir. Ficar vulneráveis a elas é masoquismo. Portanto devemos reduzir nossos limites e finalmente eliminá-los somente com pessoas -amigos, parentes ou parceiros- com quem tenhamos um relacionamento pautado pela confiança, amor, respeito e reverência à sensível humanidade que partilhamos.

15 de Dezembro
         Se o que andamos fazendo esse tempo todo tivesse funcionado, não precisaríamos recuperar-nos.

do livro MEDITAÇÕES DIÁRIAS PARA MULHERES QUE AMAM DEMAIS

 Robin Norwood

Um comentário: