segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Meditações setembro

Meditações do dia 1º  a 15 de setembro de  2014

1 de Setembro
         A dependência de relacionamento é a mais romântica de todas as dependências.

2 de Setembro
         Para aqueles que estão quase recuperados de um amor excessivo, o envolvimento sexual é baseado na ternura de cuidar verdadeiramente de outro ser humano e na emoção de partilhar a intimidade, e não na luta para conquistar um amor impossível.

3 de Setembro
         Sem recuperação, quando pensamos que a questão é sobre ir ou não embora, na verdade é, freqüentemente, sobre vencer versus perder. Ironicamente é mais fácil ir embora, se é isso o que finalmente precisamos fazer, depois de termos conseguido nos recuperar um pouco, porque recuperação não significa vencer – significa não jogar.

4 de Setembro
         A dependência se desenvolve quando a confiança na droga, substância ou atividade deixa de ser uma escolha e passa a ser uma compulsão.

5 de Setembro
         Nossa cultura nos oferece meios de 'disfarçar' as dependências para fazer com que pareça, escolhas e não compulsões.

6 de Setembro
         Se assumimos responsabilidades demais quando muito jovens, podemos estar fingindo ser adultas há tanto tempo, pedindo tão pouco para nós e fazendo tanto pelos outros, que agora parece ser tarde demais para aproveitarmos nossa vez.
         Mas não é.
         Comece agora a aprender como aproveitar sua vez.

7 de Setembro
         Precisamos direcionar nossas lutas por significado, identidade e  compreensão para uma busca espiritual, não uma busca de relacionamento.
8 de Setembro
         A maioria de nós que amamos demais já aprendeu a grande lição espiritual da compaixão. Na verdade, muitas de nós nos excedemos na compaixão. Queremos fazer pelos outros o que eles deveriam fazer por si mesmos.
         Agora estamos prontas para a próxima grande lição espiritual –desprendimento. Devemos aprender a nos desligar – com amor e compaixão – daqueles cujas vidas tentamos controlar.

9 de Setembro
         A necessidade de controlar os outros sob o disfarce de ser prestativas é bem típica de uma dependente de relacionamento.
         Quando amamos demais, curar-nos significa parar e procurar maneiras de ajudar os outros.

10 de Setembro
         Quando deixamos de nos comportar de determinada maneira para ganhar a aprovação e o amor dos outros, começamos a saber quem realmente somos.

11 de Setembro
         Quando estamos dispostas a perdoar outra pessoa, repentinamente obtemos todo o entendimento de que precisamos sobre a condição dessa pessoa.

12 de Setembro
         A espiritualidade, como a caridade, começa em casa. Podemos pensar que, com menos problemas e mais tempo para ponderar as verdades profundas, podemos desenvolver melhor nosso lado espiritual. Mas é precisamente lidando com os problemas e as pressões da vida que nossos defeitos de caráter são expostos e finalmente, com muito esforço, refinados.
         Por fim nos tornamos mais tolerantes, compassivas, compreensivas, capazes de nos desprender com amor, e menos obstinadas, medrosas, intrometidas e controladoras porque precisamos disso, de modo a sobrevivermos com algum grau de serenidade na arena emocional da vida.
         Isso é desenvolvimento espiritual.

13 de Setembro
         À medida que nos tornamos mais capazes de aceitar as pessoas como elas são, tornamo-nos mais capazes de escolher aquelas que são boas para nós e abençoar e dispensar aquelas que não são.

14 de Setembro
         A primeira vez que nos encontramos ajoelhadas, geralmente estamos desesperadas pedindo ajuda.
         Mais tarde, rezar humildemente se torna uma parte valiosa de nossos esforços para conseguir orientação a fim de vivermos como devemos.
         Finalmente, porque reconhecemos a imensurável importância que a prece teve em nosso despertar espiritual, somos capazes de agradecer pelos mesmos problemas que nos levaram a ajoelhar anteriormente.

15 de Setembro

         A fim de se recuperar, você deve abrir mão da idéia errônea de que seu alto grau de atração sexual ou de sensualidade tem, ou já teve, alguma coisa a ver com amor.

do livro MEDITAÇÕES DIÁRIAS PARA MULHERES QUE AMAM DEMAIS
 Robin Norwood

Nenhum comentário:

Postar um comentário